Marina Ruy Barbosa: “Não compactuo com a atual política”

Desde as eleições de 2018, Marina Ruy Barbosa tem sido cobrada a declarar seu voto. A discussão voltou a movimentar as redes sociais após o pai da atriz, o empresário Paulo, declarar ter se arrependido de ter apoiado Jair Bolsonaro, a quem agora chama de “sociopata”. Ao comentar o assunto, Marina decidiu dar um passo para sair do armário político, mas sem entregar sua preferência. “Meu pai não é uma figura pública e estranho esse interesse. Eu sou a pessoa pública e não votei no candidato do meu pai. Não concordei com a escolha dele, não compactuo em nada com a atual política. Mas o voto é um direito garantido e ele fez uma escolha. O cenário não era promissor, mas não gostaria de ver o país em mau estado. Tentei acreditar (percebo que fui ingênua) em uma mínima possibilidade de as coisas não irem para o caminho lamentável que foram. Mas tudo o que pensávamos se confirmou. Só aprende quem erra. E meu pai está revendo suas posições. É bom porque mostra que, como eleitor, ele está atento e disposto a evoluir e mudar de pensamento.”

Leia nesta edição: como a crise fragiliza as instituições, os exemplos dos países que começam a sair do isolamento e a batalha judicial da família WeintraubVEJA/VEJA

Publicado em VEJA de 10 de junho de 2020, edição nº 2690