Fabrício Queiroz: o singelo nome da chácara onde ele estava abrigado

Havia uma singela placa na portaria da residência onde Fabrício Queiroz foi preso na manhã desta quinta, 18, em Atibaia: “Sonho Meu”. Esse era o nome dado à chácara que pertence a Frederick Wassef, advogado de Queiroz na investigação no caso das rachadinhas. Wassef também advoga para o senador Flávio Bolsonaro na mesma investigação e para o presidente Jair Bolsonaro.

A chácara de Wassef serviu de abrigo para Queiroz e sua mulher ao longo de um ano, segundo informou o delegado Osvaldo Nico Gonçalves para a GloboNews. A região onde fica o imóvel é bastante arborizada e mais centralizada em comparação ao sítio de Lula, localizado na mesma cidade. O imóvel “Sonho Meu” fica relativamente perto da Rodovia Fernão Dias e a menos de 75 quilômetros do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde Queiroz em determinado momento fez tratamento contra um câncer.

O início da reabertura em grandes cidades brasileiras, os embates dentro do Centrão e a corrida pela vacina contra o coronavírus. Leia nesta edição.VEJA/VEJA