Ana Moser: terceiro setor e “duelo” com ex-colega no Twitter

Ao contrário das pessoas que usam as redes sociais para criticar, atacar e destilar ódio, sem fazer nada de efetivo para a sociedade, Ana Moser há muitos anos atua no terceiro setor. Ela fundou e dirige o Atletas pelo Brasil, entidade que leva educação e atividades esportivas a crianças carentes, atendendo simultaneamente 5 000 menores em São Paulo, Rio de Janeiro e Pernambuco. “No mundo virtual, as soluções dos problemas parecem tão simples. As pessoas só criticam e cancelam umas às outras”, diz ela, que foi considerada a melhor jogadora de vôlei do mundo na sua época. Ana não diz diretamente a quem se refere, mas andou duelando nos últimos dias pelo Twitter com sua ex-colega de quadra Ana Paula Henkel, apoiadora ferrenha de Jair Bolsonaro. “Falo com muita gente do vôlei, mas prefiro não falar das coisas que eu não faço”, afirma Ana.

Leia nesta edição: como a crise fragiliza as instituições, os exemplos dos países que começam a sair do isolamento e a batalha judicial da família WeintraubVEJA/VEJA

Publicado em VEJA de 10 de junho de 2020, edição nº 2690

Escalada da inadimplência: Valdemiro Santiago atrasa “aluguel de TV”

Fundador da Igreja Mundial do Poder de Deus, o autodenominado apóstolo Valdemiro Santiago deixou de pagar o aluguel da locação de horário da TV Ideal, ex-MTV. O religioso aluga há mais de três anos 20 horas diárias da emissora por valor mensal estimado de 8 milhões de reais. No mercado, o comentário é o de que ele não paga a locação desde o começo da pandemia, já tendo atrasado três meses de prestações. Ou seja, a dívida acumulada já ultrapassaria a casa dos 20 milhões de reais. Procurado por VEJA, Paulo Garcia, dono da TV Ideal, falou que não ia comentar o caso.

Valdemiro tem reclamado durante seus cultos que, durante a pandemia, vários donos de imóveis locados pela Mundial estão entrando com ação de despejo por falta de pagamento. Mas o problema dele é anterior à crise. A Mundial de Valdemiro já acumulava dezenas de processos antes do início da pandemia por não honrar os valores dos aluguéis. Na crise, os atrasos ficaram maiores. “Entrei com um processo porque ele não paga o aluguel do imóvel locado em Monte Mor, interior de São Paulo, há vários meses”, diz o advogado Diego Toloto. “Na verdade, a Mundial deu um caução inicial. Depois de poucos meses de locação, deixou de honrar com o aluguel.”

O isolamento do país aos olhos do mundo, o chefe do serviço paralelo de informação de Bolsonaro e mais. Leia nesta ediçãoVEJA/VEJA

Para reverter os tempos de vacas magras, um retorno às suas raízes rurais: Valdemiro oferece semente de feijão por 1.000 reais para manter a prosperidade e livrar o fiel do coronavírus. “Vou plantar em cada um para meus filhos, netos… façam o mesmo”, recomendou ele em um culto acompanhado pela reportagem de VEJA. O MP entrou com uma investigação por prática de estelionato.

Secretário do governo Bolsonaro sofre derrota ambiental no litoral de SP

Ex-governador de São Paulo e atual secretário especial do ministro Paulo Guedes, o empresário Guilherme Afif Domingos sofrerá uma derrota definitiva em seu plano de construir um condomínio de quarenta mansões na Praia da Baleia, um dos trechos mais valorizados do Litoral Norte de São Paulo. Na sexta, 4, será assinado o decreto de plano de manejo da APA criada pela lei municipal nº 2.257/2013, que zela pela proteção de mais de 4 milhões de metros quadrados entre as praias da Barra do Sahy e da Baleia, preservando também as vidas mais de 87 espécies de fauna com algum grau de extinção.

Trata-se do fim de um imbróglio antigo. Afif deu entrada no projeto de construção em 2009, então com plano para levantar 70 casas (esse número acabou sendo reduzido depois quase pela metade). Foi quando a advogada Fernanda Carbonelli apresentou uma denúncia ao Ministério Público para saber o impacto do empreendimento a ser erguido em área nativa de Mata Atlântica. Em 2011, uma sentença anulou a licença ambiental concedida para as obras. No ano passado, uma reviravolta: já como secretário de Guedes no governo de Jair Bolsonaro, Afif refez estudos e entrou com novo pedido de construção junto à Cetesb — desta vez, obteve a anuência para tocar o projeto.

O isolamento do país aos olhos do mundo, o chefe do serviço paralelo de informação de Bolsonaro e mais. Leia nesta ediçãoVEJA/VEJA

Ao tomar conhecimento do que poderia representar o começo das obras, uma das ONGs mais atuantes na região, o Instituto Conservação Costeira entrou com uma denúncia junto ao MP, que acatou a queixa e determinou a paralisação novamente. No meio do caminho, Afif moveu um processo-crime contra Fernanda Carbonelli. “Ele queria me intimidar, talvez para ver se desistiríamos da briga”, diz ela. “Esse projeto da APA renova as minhas esperanças no respeito ao meio ambiente. Lutamos em prol de um bem comum: a preservação da Mata Atlântica.”

Caso obtivesse aprovação no projeto do condomínio, cada casa seria comercializada por pelo menos 10 milhões de reais. Procurado por VEJA, o escritório de advocacia Ferraz de Sampaio, que representa Afif, diz não ter conhecimento dessa nova lei e que seguirá obedecendo todos os trâmites legais para conseguir os alvarás para realizar o empreendimento. Ao todo, o terreno do empresário tem 123.000 metros quadrados.

Quarentena fez explodir busca por casas de campo em condomínio de luxo

A crise acarretada pela pandemia e a necessidade de quarentena não derrubaram um setor ultra-exclusivo. Na verdade, a necessidade de isolamento social aqueceu o mercado de condomínios de campo luxo, formado por terrenos e residências que podem atingir facilmente valores acima de 10 milhões de reais. Condomínio mais sofisticado do Brasil, o Fazenda Boa Vista, localizado na cidade de Porto Feliz, interior de São Paulo, nunca esteve tão cheio como agora.

Alguns dos empresários que lá têm belíssimas residências, como João Adib Marques, José Luiz Egydio Setubal, Nizan Guanaes e Zeca Rudge, decidiram fazer da casa de campo a casa oficial da quarentena. E, para aqueles que podem, esses tempos malucos fez despertar a vontade de ter um lar distante de centros urbanos. Os corretores do lugar nunca deram tanto expediente, dando detalhes de plantas de terrenos, casas já prontas e formas de pagamento. Dados de abril e maio ainda não foram divulgados, mas quem conhece bem esse mercado sabe que são bastante promissores. Procurado por VEJA, a empresa JHSF, responsável pelas vendas na área, admite que a procura aumentou muito neste período.

O isolamento do país aos olhos do mundo, o chefe do serviço paralelo de informação de Bolsonaro e mais. Leia nesta ediçãoVEJA/VEJA

As vendas no primeiro trimestre de 2020 cresceram 143% em relação ao mesmo período do ano passado. Dos 885 lotes, cerca de 150 continuam vagos. O sucesso atual das vendas do Boa Vista fez a JHSF anunciar em dezembro o lançamento do Boa Vista Village, logo ao lado. A novidade: prédios de até três pavimentos a partir de 133 metros quadrados e de 2,2 milhões de reais para cima. Terá campo de golfe, hotel e piscina com ondas de até 2,75 metros de altura e 22 segundos de duração para cativar surfistas do campo.

Conheça as medidas sanitárias adotadas para a reabertura de shoppings

Há duas semanas, a Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce) contratou o Hospital Sírio-Libanês, de São Paulo, para elaborar um protocolo com medidas de segurança e higiene para a volta das atividades do setor. A expectativa era de que o setor retomasse as atividades nesta segunda, 1, mas o prefeito Bruno Covas estendeu a quarentena na maior cidade do país até o dia 15 de junho. A administração municipal só dará o aval de abertura após entidades de classe apresentarem o plano de medidas sanitárias. Ainda não se sabe se Covas irá aprovar algum setor em específico antes do dia 15.

Nesta segunda, a Abrasce encaminha à prefeitura um protocolo para a abertura dos 53 shoppings da cidade São Paulo. O setor tem esperança de reabrir a tempo de aproveitar o Dia dos Namorados, dia 12. Sabe-se que, mesmo que os centros de compram retornem, suas praças de alimentação não estarão em funcionamento. VEJA conversou com Rafael Saad, gerente da Consultoria do Hospital Sírio-Libanês, sobre as novas regras.

O que é esse protocolo? Temos recebido demandas de uma série de empresas e entidades de classe para atuar como consultoria, como rede de hotel e frigoríficos. Estamos tendo uma demanda brutal de um mês para cá, todos querendo saber como retomar a economia com segurança. A Abrasce nos procurou há duas semanas para ter o melhor sistema para para a reabertura dos shoppings. A entidade queria fazer uma revisão de protocolos já existentes e criar outros novos.

E quais são as medidas dos shoppings que vão reabrir? Todos deverão usar máscaras: clientes e colaboradores. Caso alguém queira entrar sem máscara, o shopping deve disponibilizá-la. Também pedimos pontos de lavagem de mãos na praça de alimentação e dispositivos com álcool em gel em diversos pontos. Quem estiver com temperatura acima de 37,2 graus, será encaminhado para um ambulatório. Pedimos para não fazer eventos e para reduzir o número de clientes em corredores e dentro das lojas.

Continua após a publicidade

O serviço de valet pode ser mantido? Sim, mas os manobristas deverão passar álcool a cada veículo que estacionarem.

Gottino de volta à Record: o contragolpe de Edir Macedo na CNN

A emissora de Edir Macedo conseguiu tirar a maior estrela da CNN, que por sua vez havia sito “roubado” pela concorrência no ano passado causando uma rusga diplomática tremenda. Reinaldo Gottino acaba de ser recontratado pela Record. O jornalista vai voltar a apresentar o Balanço Geral, com retorno ao vivo a partir de junho. Trata-se de um golpe de mestre de Edir. O dono da emissora não havia engolido o fato de a estrela mais carismática de seu canal ter saído de lá para a concorrência. Prova disso é que quatro dias após a CNN Brasil anunciar a contratação de Gottino, Rubens Menin, dono da franquia nacional do canal de notícias americano, foi alvo de um ataque pesado da emissora de Macedo, com reportagens sequenciais mostrando problemas da MRV Construtora, empresa de Menin.

O isolamento do país aos olhos do mundo, o chefe do serviço paralelo de informação de Bolsonaro e mais. Leia nesta ediçãoVEJA/VEJA

Gottino, no ano passado, quando falou à Record sobre a sondagem pela CNN, não recebeu contraproposta. A direção do canal pensou que ele não teria coragem de sair e ficou surpresa quando ele anunciou ter fechado contrato com a concorrência. Macedo ficou possesso. Ele havia feito um acordo de cavalheiros com Douglas Tavolaro, ex-diretor da Record e responsável por trazer a CNN ao Brasil, de que ninguém de seu elenco fosse levado para o novo canal.

O grande atrativo oferecido a Gottivo para voltar aos braços de Macedo atende pelo nome de merchan. Gottino deve fazer entre seis merchans por dia, mais salário fixo. Com isso, seu rendimento mínimo será de 500.000 reais por mês na nova-velha casa. A emissora, no entanto, não confirma nem comenta sobre valores.

Efeito fake news: os detalhes da debandada de clientes da SmartFit

Edgard Corona deve sentir no bolso o fato de estar no centro das investigações como suposto financiador de disparos de fake news. Após a operação da Polícia Federal realizada na quarta, 27, quando o empresário teve sua quebra de sigilos fiscal e bancário quebrados, viu-se uma campanha na internet pedindo para que alunos façam o cancelamento de matrículas das redes SmartFit. A rede de academias tem uma cláusula segundo a qual a matrícula pode ser cancelada a qualquer momento, mas isso precisa ser feito de forma presencial. Quase todas as unidades estão fechadas devido à pandemia, o que tem causado revolta por quem não consegue se desligar da empresa. No Twitter, alguns perfis orientam alunos a fazer queixa da academia pelo Procon.

Pelo site Reclame Aqui, há diversos alunos reclamando da impossibilidade de fazer o cancelamento por plataformas digitais — alguns usam a decisão de deixar a empresa justamente pela investigação de seu dono no inquérito das fake news. “Já estava bastante indignada com a pressão que o dono da rede SmartFit faz para a reabertura das academias durante a pandemia, e agora me recuso a dar meu dinheiro para que financiam notícias falsas em prol desse governo nazista! Contudo, entrei no espaço do aluno para cancelar e não tem mais essa opção no espaço! Minha matrícula foi trancada automaticamente por conta da pandemia, mas quero cancelar definitivamente e não consigo! Eu me recuso a continuar dando dinheiro para academia Bolsonarista!”, escreveu uma aluna de Brasília. “Eu estou pagando mensalidade parcial durante a pandemia para manter a empresa com um pouco de fôlego e manter colaboradores, mas esse dinheiro pode estar sendo usado para financiar fake news”, argumentou outra de Goiânia pelo Reclame Aqui.

O isolamento do país aos olhos do mundo, o chefe do serviço paralelo de informação de Bolsonaro e mais. Leia nesta ediçãoVEJA/VEJA

Ao autorizar a quebra de sigilos de empresários, entre eles também o Luciano Hang, o ministro Alexandre de Moraes usou como argumento a mensagem de Corona pedindo apoio financeiro para vídeos contra Rodrigo Maia: “Temos de impulsionar esses vídeos. Precisamos de dinheiro para investir em marketing”, diz a mensagem, enviada ao grupo do movimento Brasil 200 e revelada em fevereiro deste ano.

Até dezembro de 2019, a rede SmartFit contava com 2,5 milhões de alunos e 730 unidades espalhadas por dez países. A empresa chamou a atenção do mercado quando o fundo canadense CPPIB comprou 12,4% do grupo por 1,07 bilhão de reais, avaliando a companhia em 8,6 bilhões. A aquisição foi em novembro passado.

Continua após a publicidade

Procurado por VEJA, a SmartFit não fala sobre o aumento de cancelamentos de matrículas em virtude de Corona ser investigado pelo STF. A assessoria de imprensa mandou o seguinte comunicado: “O cancelamento não pode ser efetivado agora em virtude das academias estarem fechadas. Exatamente por esse motivo que, nesse período, nenhuma cobrança de mensalidade vem sendo efetuada. Assim que as unidades reabrirem, o cancelamento poderá ser realizado normalmente”.

Alberto Safra se envolve em problema ambien­tal

Alberto Safra//Reprodução

Após uma briga familiar que resultou em sua saída do banco Safra no segundo semestre de 2019, no qual era responsável pela área de empresas, Alberto Safra, de 39 anos, envolveu-se em um problema ambien­tal. Em abril, uma obra cortou o jundu que ficava na frente de sua mansão na Praia da Baleia, um dos pontos mais valorizados do litoral paulista. A ação revoltou vizinhos, inconformados porque supostamente essa mata servia de alimento para sabiás e tucanos, e gerou uma advertência da Polícia Ambiental. Procurado por VEJA, Alberto informou por meio de sua assessoria que o boletim de ocorrência foi lavrado contra o responsável pela obra. Além disso, prometeu acertadamente replantar jundu na área. Ele é um dos quatro filhos do banqueiro Joseph Safra.

O isolamento do país aos olhos do mundo, o chefe do serviço paralelo de informação de Bolsonaro e mais. Leia nesta ediçãoVEJA/VEJA

Publicado em VEJA de 3 de junho de 2020, edição nº 2689

Bela Gil se filia ao PSOL do Rio de Janeiro

A chef e apresentadora Bela Gil decidiu se filiar ao PSOL do Rio de Janeiro na semana passada. Adepta de uma alimentação saudável e sem agrotóxicos, que tem como estrela do cardápio o churrasco de melancia, ela não planeja ser candidata nas eleições municipais de 2020. Bela pretende atuar nos bastidores, ajudando políticos da sigla na elaboração de programas de refeição escolar e manejo sustentável, temas que ela conhece com propriedade. Embora não seja o plano de Bela, integrantes do PSOL desejam que ela tome gosto pela coisa e saia candidata a deputada federal em 2022.

O isolamento do país aos olhos do mundo, o chefe do serviço paralelo de informação de Bolsonaro e mais. Leia nesta ediçãoVEJA/VEJA

Publicado em VEJA de 3 de junho de 2020, edição nº 2689

Serasa está sendo cobrada na Justiça pela cantora Pabllo Vittar

Especializada em fazer relatórios de maus pagadores, a Serasa está sendo agora cobrada na Justiça pela cantora Pabllo Vittar a arcar com uma indenização de 120 000 reais. Em agosto do ano passado, a entidade colocou no ar uma propaganda engraçadinha insinuando que ela devia 70 000 dólares à cantora Anitta. A brincadeira pegou mal por dois motivos: a história era mentirosa e as duas artistas concorrentes não se bicam desde um episódio em que circularam rumores dizendo que Anitta teria bancado com recursos próprios um clipe da rival. Até a última quinta, 28, a Serasa ainda não havia sido notificada da ação.

O isolamento do país aos olhos do mundo, o chefe do serviço paralelo de informação de Bolsonaro e mais. Leia nesta ediçãoVEJA/VEJA

Publicado em VEJA de 3 de junho de 2020, edição nº 2689